• Armazém na Estrada

Um Conto da Primavera

por Lodônio de Poiri



O 'quando'

é um termo adiposo...

Dizia Nepomuceno

enquanto a lua surgia

antecipando o crepúsculo.

Alguém cuspiu incômodo ao seu

pretérito imperfeito;

outro golou desânimo com seu

futuro do pretérito;

alguns gorjearam bandeiras aos

vossos subjuntivos...

O cotidiano histórico

é o jazigo das bandeiras:

gargarejou Nepomuceno.


Andressa pensava em sexo.

José almejava dinheiro.

Ou talvez fora inverso...

Em verdade, em verdade, vos digo:

o dono do bar tentava compreender

o termo 'quando'.


Alhures, casais em quaisquer inutilidades.


Um meteoro esgarçado no céu

não antecipava o fim dos tempos.


O 'quando' jamais abreviará

tuas dores e teus desejos:

disse baixinho Nepomuceno

enquanto servia ao amigo imaginário.


Lodônio de Poiri é poeta e escritor.

Um epicurista anarquista e vice-versa

206 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Lágrimas

Saci