• Armazém na Estrada

Tributo: Emma Goldman

Atualizado: Mar 12


Nesta semana, um Tributo à ensaísta Emma Goldman (1869-1940), influente anarquista do início do século XX, antecipou várias pautas do feminismo e do questionamento aos modelos político-econômicos tanto dos EUA quanto da União Soviética.


Escritos sobre ela:

Escritos por ela:

minorias versus maiorias (Tradução por Eliane Knorr. In: Revista Verve, 2008 - Revista autogestionária do Nu-Sol da PUC-SP).

Trechos:


“Na política, somente a quantidade importa. Proporcionalmente a esse aumento, porém, os princípios, os ideais, a justiça e a honradez são engolidos por um mar de números. Na luta pela supremacia, os vários partidos se superam em mentiras, fraudes, astúcias e tramas duvidosas, seguros de que, aquele que obtiver êxito será aclamado pela maioria como o vencedor. Este é seu único deus, — o Sucesso. Às expensas do quê? A qual terrível custo do caráter? Esse é o ponto crucial. Não é preciso ir muito longe para comprovar esse triste fato.”

“Hoje, como antes, a opinião pública é o tirano onipresente; hoje, como antes, a maioria representa uma massa de covardes ansiosa para aceitar aquele que espelhe a miséria de sua própria mente e alma. Isso explica a ascensão sem precedentes de um homem como Roosevelt. Ele encarna o pior elemento da psicologia do populacho. Como político, ele sabe que para a maioria pouco importam ideais ou integridade. O que ela exige é o espetáculo. Não importa se é uma exposição de cães, uma luta por prêmios, o linchamento de um “criolo”, o cerco a algum infrator insignificante, o casamento de alguma herdeira, ou as palhaçadas de algum ex-presidente. Quanto mais abominável a contorção mental, melhor o deleite e aplausos da massa. Assim, ainda que de pobres ideais e alma vulgar, Roosevelt continua a ser o homem da vez.”

61 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo