• Armazém na Estrada

Luz(a) alma

por Pedro Vale


Sossega e vive do ar,

a cómoda alma, armário espacial.

Plana e cisma a esmola pintada

na rua nua e perfumada.

Sonha a universal fundação,

À beira-rio, navio-fantasma e fruição.

Entoa, na guitarra infantil, dramática gente,

num acorde simples, medieval.

- Ó alma lusa,

Acorda e sente,

mesmo que à tangente,

O que é ser filha de Portugal.

Poema extraído do livro AZUL INSTANTÂNEO

(confira: https://www.skoob.com.br/azul-instantaneo-804586ed808569.html )


Pedro Vale é poeta e professor.

Português nascido no Porto, reside no Funchal

e frequenta o mestrado em Gestão Cultural

na Universidade da Madeira.

89 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo