• Armazém na Estrada

um poema de 'Azul Instantâneo'

por Pedro Vale



Talvez um dia recordes num qualquer espelho torto quão simples fora a tua salva e te lembres daquela vez em que ceáramos apenas meia laranja e nada de pão naquela casa cega

com o telhado a verter lágrimas de fel.



Poema extraído do livro AZUL INSTANTÂNEO

(confira: https://www.skoob.com.br/azul-instantaneo-804586ed808569.html )


Pedro Vale é poeta e professor.

Português nascido no Porto, reside no Funchal

e frequenta o mestrado em Gestão Cultural

na Universidade da Madeira.

70 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Penélope